fbpx

Os detalhes da cora mais famosa do mundo

Eu que vivo para criar joias para casamento, sempre estou com uma coroa na cabeça! Se não literalmente, ao menos em pensamento e no olho bem treinado na busca de inspiração. E por mais que se crie, invente ou reinvente, é inegável que a principal referência para as coroas e tiaras ainda nos dias de hoje continua sendo aquela que eu considero a “mãe” de todas essas criações, a coroa oficial da Rainha Elizabeth II.

Conhecida como a joia das joias, a Coroa de Santo Eduardo é, talvez, a mais famosa de todas as joias que já adornaram a monarquia. Criada por Sir Robert Viner em 1661, foi especialmente confeccionada para coroação de Carlos II, em substituição a uma coroa medieval do século 11 que foi derretida em 1649. Não por acaso, é considerada como a mais importante das Joias da Coroa Britânica.

Também pudera! A peça tem quase 2,3 quilos, sendo coberta com mais de 400 pedras preciosas como rubis, safiras, topázios, turmalinas, ametistas, granadas, zircônias e águas-marinhas, montadas em uma estrutura de ouro maciço, prata e platina. Imponente, guarda histórias incríveis e algumas curiosidades, como o fato de ter sido usada para coroar apenas 4 monarcas.

Outro ponto faz o queixo cair é que, até o comecinho do século 20, as pedras preciosas e semipreciosas eram todas emprestadas! Durante 3 séculos, toda vez que a coroa era posta em uso, as joias eram cedidas para as cerimônias e devolvidas. Foi somente na coroação do avô de Elizabeth II, George V. que a monarquia britânica resolveu adquirir a sua própria coleção de pedras. Depois de saber disso, quero ver quem é que terá coragem de chamar o marido de pão-duro! Rsrsrs….

Uma obra de arte com esse valor histórico não tem preço, mas um site resolveu avaliar a coroa. Para isso, fez extensivas pesquisas em livros, guias internacionais de pedras preciosas, registros históricos e até o catálogo do fornecedor de tecidos da Rainha, visto que o objeto também contém veludo e arminho. Segundo divulgado, as safiras presentes na Coroa de Santo Eduardo são os elementos mais valiosos, batendo mais de US$ 2,1 milhões (perto de R$ 8,6 milhões), seguidos pelas turmalinas e pelo ouro, avaliados em US$ 345 mil e US$ 87 mil – ou quase R$ 1,4 milhão e mais de R$ 347 mil –, respectivamente.

Os elementos mais “baratinhos” da coroa são o veludo, custando US$ 3 (mais ou menos R$ 12), e o arminho, estimado em US$ 34 (perto de R$ 136). No total, a joia  foi avaliada em US$ 4.519.709, cerca de R$ 18 milhões! Um tesouro e tanto, mas que se comparado ao valor da coleção completa das Joias da Coroa, que vale mais de US$ 3.5 bilhões ou perto de R$ 14 bilhões, é apenas um mimo de luxo. Maravilhosamente imponente como deve ser a coroa de uma grande rainha.

Beijo, beijo!

Miguel Alcade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *