Meu “arigatô” ao mestre Okubo – Miguel Alcade

Meu “arigatô” ao mestre Okubo